O dever de um Ministro

“Um dos principais deveres de um ministro cristão é combater falsas doutrinas. Paulo provavelmente tinha algo definido em mente quando escreveu a Timóteo. É possível que a igreja estivesse sendo ameaçada com um precursor do gnosticismo, ou de alguma forma de misticismo judaico, ou uma mistura dos dois.

O contexto histórico exato não é essencial para o entendimento e aplicação dessa passagem, visto que Paulo primeiro declara um princípio amplo, que Timóteo deve por um fim a homens que ensinam “falsas doutrinas”. Ele não pretende dizer que essas falsas doutrinas particulares deveriam ser detidas, mas todas as outras são permitidas. Todas as falsas doutrinas devem ser detidas.

Um ministro cristão que esteja indisposto ou que seja incapaz de fazer isso é um devedor, e introduz uma vulnerabilidade à sua igreja. Ele poderia estar indisposto de se opor a falsas doutrinas por não considerar que doutrinas sejam algo essencial. Mas elas são essenciais, visto que fornecem definição e orientação com respeito a cada aspecto da fé cristã.

Não existe nenhuma fé cristã, e dessa forma nenhum conhecimento de Deus e de Cristo, nenhuma salvação, nenhuma justificação e santificação, nenhuma adoração a Deus, nenhuma comunhão com os santos, e nenhuma esperança de vida eterna, sem as doutrinas cristãs.

Sem doutrinas, não há nada.

Então, um ministro poderia ser incapaz de se opor às falsas doutrinas porque teme confrontar os heréticos, ou porque careça de conhecimento e inteligência para refutá-los.

Seja qual for a razão, essa é uma séria deficiência num ministro, e desse ser tratada com extrema urgência.” (Cheung)

Não se pode negar que esta é uma realidade nos nossos dias, os ministros estão nivelados por baixo, são homens (e mulheres) comprometidos com a vaidade e com o materialismo.

Negam a verdade bíblica com tranquilidade, pois suas mentes estão cauterisadas, e nem percebem que maquinam o mal todo o tempo, com suas bíblias “cinzas” são lobos no meio do rebanho. Estão ali somente para ganhar muitas vezes salários ínfimos, mas que por causa da sua incompetência não ganhariam se fossem honestos.

É uma pena…mas eles estão por aí. E nos bastidores falam mau das pessoas que os sustentam, nem os consideram seus amigos…no fim, eles todos são infelizes demais…

Uns enganam descaradamente, todos os outros fingem aprender, e acabam estagnados numa eterna murmuração, fracos, indefesos, domingo após domingo!!!




Anúncios

About this entry